quinta-feira, 23 de maio de 2013

Vamos?

Marcha das Vadias

Marcha começa às 14h na rua Augusta

O grupo das “vadias” convocou e 6 mil pessoas confirmaram presença na marcha que vai acontecer neste sábado, 25, em São Paulo. Assim é o Facebook, uma poderosa plataforma de criação e divulgação de movimentos sociais para temas diversos. Em São Paulo, o primeiro grande evento da rede foi o “churrasco da gente diferenciada”. De forma bem humorada, usuários do Facebook resolveram se manifestar contra a declaração de moradores de Higienópolis, que não queriam uma estação de metrô no bairro. A alegação era de que o transporte traria pessoas “diferentes” à nobre região. Mais de 55 mil pessoas confirmaram participação na página da rede. Cerca de 600 foram ao churrasco, de mendigos a internautas, todos protestando com espetinho de carne na mão e samba no pé.

Outro recente e famoso movimento lançado pelo Facebook foi o “Não me Representa”. Quase 4 mil usuários da rede protestaram contra o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), depois de declarações preconceituosas do político contra homossexuais e negros. A mobilização circulou pelo mundo, fotos de pessoas e até de animais com cartazes com a frase “não me representa” criaram uma atmosfera bastante pesada para Feliciano, na Câmara, que há três meses passa por maus bocados para se manter na Comissão de Direitos Humanos.
Se de um lado a rede colabora com causas sociais relevantes e de grande interesse público, na outra ponta potencializa boatos que levam a graves crises, como ocorreu nesta semana com o programa do governo federal Bolsa Família.

Gente diferenciada "invade" Higienópolis

Gente diferenciada “invade” Higienópolis

O próprio Facebook sofre com sua capacidade geométrica de disseminar informações. Em março do ano passado, muitos usuários compartilharam a informação de que cliques sobre “curtir” estariam disponíveis no site de buscas do Google, informação desmentida posteriormente por sua assessoria de imprensa.

Evidente que as redes sociais são um espaço livre para a expressão, para a comunicação. Aproximam pessoas de culturas e lugares diferentes. Ao contrário dos norte-americanos, que estão abandonando o Facebook, segundo estudo recente, por julgar que os conteúdos são vazios, o brasileiro deve fortalecer esta ferramenta que é capaz de arregimentar multidões em busca de uma sociedade transformada. Que a “Marcha das Vadias” seja um sucesso. Que venham novos churrascões. E que figuras públicas como Feliciano observem os sentimentos da população com vontade (verdadeira) de atender às suas necessidades.